Eletrobras Acre vai a leilão na proxima quinta-feira (30)

Publicado em 27 de agosto de 2018

A Eletrobras Distribuição Acre será leiloada no dia 30 de agosto. Avaliações independentes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) estipulam que o valor da empresa é de R$ 967 milhões, no entanto, a distribuidora tem dívidas que somam R$1.08 bilhão.

Devido às circunstâncias, para que a distribuidora apresente algum valor que viabilize a venda, a Eletrobrás terá que fazer o aporte de R$ 114 milhões. Dessa maneira, a Eletrobras venderá a empresa por R$ 50 mil, valor simbólico cabível aos acionistas após a capitalização.

O novo investidor terá que fazer o aporte R$ 239 milhões, assumir a responsabilidade de pagar as dívidas e realizar os investimentos projetados para a empresa. Na data, a empresa também vai a leilão em Rondônia e em Boa Vista (RO).

Em relação à Amazonas Distribuidora de Energia, será divulgado novo cronograma nos próximos dias. E o leilão da distribuidora de Alagoas encontra-se suspenso em virtude de decisão judicial.

Eletrobras Responde

O jornal A Tribuna entrevistou diretor-presidente da Eletrobras Distribuição Acre, Ricardo Xavier para esclarecer a principais dúvidas que pairam sobre a privatização. O gestor afirma que não é a empresa que está sendo vendida por R$ 50 mil, mas sim uma dívida. “Mas, por que comprar uma empresa endividada por R$ 50 mil?

Porque ela tem condições de investimento”, afirma.

Xavier diz não ter dúvidas de que o novo acionista trará melhorias para o consumidor, porque a empresa vai adquirir capacidade de investimento, capacidade de financiamento, expandir a rede e melhorar o serviço que está sendo prestado.

 Demissões e aumento na tarifa

O secretário-geral do Sindicato dos Urbanitários do Acre, Marcelo Jucá estima que a venda da empresa pode gerar cerca de 1.2 mil demissões. Além disso, Marcelo teme que a privatização gere uma precariedade no serviço de distribuição de energia, aumento nas tarifas e fim do programa tarifa social, no Acre.

Sobre o aumento da tarifa após a privatização da empresa, o diretor-presidente descarta essa possibilidade. Vai ganhar o leilão, a empresa que oferecer a menor tarifa, com isso, o impacto inicial será a redução, segundo o gestor.

Ricardo descarta ainda as demissões em massa. Atualmente, a distribuição de energia ocorre 24h por dia, por este motivo, o diretor-presidente informa que não há como demitir todos os funcionários e questiona: “Onde encontrar mil pessoas para contratar da noite para o dia? Como que a pessoa que adquirir a empresa vai chegar aqui e demitir todo mundo? Como ela vai ofertar energia.”

O vencedor do leilão terá que manter todas as obrigações da empresa, como o programa Luz Para Todos e a Tarifa Social. “Independente da empresa que adquirir a Eletrobras, ela continuará oferecendo esses serviços”, garante Ricardo.

Protesto

Contra o leilão da estatal, os servidores da Distribuidoras de Energias da Eletrobras no Acre, Amazonas, Piauí, Rondônia, Roraima e Alagoas marcaram uma paralisação de 72 horas. O protesto terá início no dia 28 e segue até o dia 30.

Durante os três dias de suspensão temporária de serviços, os trabalhadores ficarão concentrados em frente a empresa. O intuito da manifestação é sensibilizar a classes política e a população em geral contra a privatização da empresa. Devem ser mantidos 30% do efetivo para garantir os serviços emergenciais e não prejudicar a população.

De acordo com Marcelo Jucá, a intenção destes protestos é adiar a discusão da privatização para 2019, para não gerar grandes prejuízos aos clientes da empresa. A bancada federal e os candidatos ao governo estão sendo pressionados pelo sindicato para que possam se posicionar sobre a privatização.

 Balanço da empresa

A Eletrobras Distribuição Acre encerrou o ano de 2017 com o prejuízo de R$236.8 milhões, valor cerca de 50,52% superior ao do ano de 2016 quando a empresa fechou o exercício com uma dívida de R$ 143,9 milhões. Os dados são da publicação “Demonstrações Financeiras e Relatório de Administração da Eletrobras Distribuição Acre 2017” divulgada no dia 16 de abril.

No final do ano passado, o prejuízo acumulado da Eletrobras no Acre passou a ser de R$985.9 milhões. Enquanto o capital integralizado da empresa era de R$475.7 milhões. O que significa, que se todos os recursos da empresa fossem utilizados para pagar a dívida, ainda restaria o débito de R$ 510.7 milhões.

No ano passado, a empresa teve a receita operacional bruta de R$782.3 milhões, um acréscimo de 17,15% em comparação ao exercício de 2016 (R$ 667.8 milhões). A evolução ocorreu devido à energia vendida no mercado de curto prazo, do crescimento do mercado e da recomposição do índice da tarifa ocorrida em novembro de 2016.

A despesa com energia elétrica comprada para a revenda e demais encargos no exercício de 2017, foi de R$331,5 milhões, menor que no ao anterior quando o gasto foi de R$243,5 milhões. A variação é de 36,13%.

A empresa atingiu a marca de 263 mil clientes cativos, o que corresponde a um crescimento de 3,5% em relação a 2016. No ano, foram somados 9 mil unidades consumidoras ao sistema de faturamento da empresas.

Inadimplência

Caso todas os devedores da empresa tivessem quitado as dívidas, o prejuízo anual da empresa poderia ter caído para R$ 162.2 milhões. Os consumidores da Eletrobras Distribuição Acre acumularam uma dívida de R$74,6 milhões ao final do ano passado, o que representa uma redução de 2,75% comparada com o valor registrado em 2016.

Os maiores devedores são os consumidores residenciais, que acumulam 52% do débito, em seguida estão os poderes públicos (22%) e por último os consumidores comerciais (13%).

 


Deixe o seu comentário:

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores.