Ato público em defesa da construção da ponte de Rodrigues Alves-Acre

Publicado em 11 de junho de 2018

Foto: Assessoria

Na última sexta-feira (08), a partir das 15:00 horas, na Câmara Municipal de Vereadores do município de Rodrigues Alves, a população realizou o I Ato público em defesa da construção da ponte no Vale do Juruá (Cruzeiro do Sul, Rodrigues Alves, Mâncio Lima, Porto Walter e Marechal Thaumaturgo).

O movimento pró-ponte que tem iniciativa popular parte da necessidade da população do Vale do Juruá que utiliza esse acesso para realizar seus diversos afazeres do cotidiano que a vida em sociedade exige dos cidadãos dessa região, endossando, que esta ponte liga o município de Rodrigues Alves aos demais municípios do Estado do Acre, as regiões brasileiras e ao país vizinho Peru.

O senhor Ralph Fernandes abriu o primeiro fórum pró–ponte dando as boas vindas aos participantes e logo em seguida apresentou a pauta do evento, na sequência realizou um histórico sobre a via Variante que passou a oferecer uma distância de 11 km entre a cidade de Rodrigues Alves e Cruzeiro do Sul, na continuidade apresentou as metas, os objetivos do movimento popular e abriu para as falas da população.

Segundo dados estatísticos e observação direta intensiva levantados pelo movimento, diariamente transitam milhares de veículos e pessoas nos dois principais sentidos, Rodrigues Alves/Cruzeiro do Sul e Cruzeiro do Sul/Rodrigues Alves, essa dinâmica se dá pela travessia através de uma balsa custeada pelo Estado do Acre e pelas chamadas popularmente balsinhas que cobram dez reais por veículo até caminhonete e três reais para motos, essa retórica em certa visão leva a compreensão da justificação de uma obra de tal porte; a ponte sobre o rio Juruá no município de Rodrigues Alves – Acre.

Foto: Assessoria

Toda essa citada movimentação de ir e vir do povo na proporção colocada leva a um grande volume de negócios relacionados à economia regional, fato importantíssimo relacionado a uma região ainda infelizmente muito subdesenvolvida, dessa forma torna-se crucial a construção da ponte em questão.

Em seguida, o movimento abriu para o debate, facultando a palavra para todos os presentes que por sua vez se inscreveram e tiveram direito a voz e voto a cerca dos encaminhamentos proposto pela pauta vigente do primeiro fórum pró-ponte.

O senhor Jailson Amorim, atual vice-prefeito e secretário de obras do município de Rodrigues Alves falou da “importância da realização do primeiro fórum em defesa da construção da ponte e que o movimento poderá contar com ele enquanto cidadão, gestor público e filho de Rodrigues Alves”.

O senhor Petronilo Taveira, ex-vereador e funcionário público aposentado, “parabenizou a todos pela iniciativa ao movimento e agradeceu as pessoas interessadas para que esse sonho venha a se tornar realidade”.

A senhora Fátima Parnaíba, professora aposentada pelo Estado do Acre, “lembrou das conquistas que os professores do estado obtiveram quando decidiram se unir em prol das bandeiras de luta que garantiria os seus direitos por uma educação pública de qualidade. Ainda fez um emocionante relato a cerca da perca de uma vizinha que foi a óbito e que certamente se existisse a ponte talvez teria dado tempo de salvar a sua vida”.

O senhor Adgarbe Pereira, professor municipal, “lembrou da época em que o município de Rodrigues Alves não tinha energia elétrica e travou uma batalha popular por esse direito que viera a ser conquistado através de luta popular, lembrou ainda da luta das pessoas que deram suas vidas para que o Acre pudesse ser brasileiro e tudo isso foi conquistado pelo víeis da movimentação social. Enfatizou que a existência das balsas que fazem a travessia só serve para testar a paciência dos usuários e que o povo está certo de querer lutar mais uma vez para a construção desta importante obra para a nossa região”.

E o senhor Ralph Fernandes, funcionário público, “ressaltou que o caminho para toda ou qualquer conquista social é através da mobilização populacional, organização coletiva e utilização das estratégias que a população do Vale do Juruá possa estar colocando em prática para os devidos encaminhamentos. Falou ainda que, uma vez criado o comitê pró-ponte em defesa da construção da ponte, estabelecerá um dialogo permanente com os poderes e representantes do povo acreano. Ainda enfatizou que, na Constituição Federal de 1988 em seu artigo 1º, parágrafo único: “Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição”. Então, já que somos constituídos pelo estado democrático de direito é possível afirmar que é a população que dirá onde deve ser feito os devidos investimentos dos recursos públicos” finaliza Fernandes.

Ao término das falas, foi realizada a eleição para a criação do Comitê Permanente Pró-Ponte, momento em que todos os participantes tiveram a oportunidade de votar e serem votados e os membros eleitos pela planária são os seguintes:

Presidente: Ralph Fernandes; vice-presidente: Luís Lopes; Secretária Geral: Derlane Costa; Representante dos trabalhadores: Márcio Ruit; professores: Adgarbe Pereira; alunos: Marcos Marcelo; assuntos institucionais: Erivan Coelho; moto-taxistas: Alessandro Damasceno; taxistas: Jerônimo Silva; freteiros: Ansênio dos Santos e representando os moradores da zona rural: Genivaldo de Souza.

Por fim, os membros do Comitê Permanente Pró-Ponte foram empossados e a partir de agora terão a missão, a responsabilidade e o compromisso de representar a população estabelecendo dialogo permanente para com os representantes do povo. Desse modo, quando a luta é em prol do bem comum social é válida e merece o devido valor no âmbito da democracia brasileira.

 

Fonte: Movimento Pró-Ponte.


Deixe o seu comentário:

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores.