Os novos médicos e o desmonte da saúde no Acre

Publicado em 27 de fevereiro de 2018

Foto demostrativa da internet

ARTIGO

Em recentes visitas as unidades de saúde de Rio Branco e do interior do Estado tenho me deparado com situações de desespero, frustração e desengano dos servidores. O motivo é o caos instalado na saúde pública cuja administração é de responsabilidade do governo do Estado, através de seu secretário de saúde.

Com estrutura física inadequada e necessitando de reformas urgentes, com a falta crônica de médicos clínicos e especialistas, medicamentos e equipamentos  laboratoriais, os políticos, não  têm conseguido dar conta de levar adiante as melhorias necessárias, principalmente em hospitais como o Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (HUERB/PS); o Novo Hospital de Brasiléia, no Alto Acre; no João Câncio Fernandes, em Sena Madureira; no Hospital Geral de Feijó; e nas unidades mistas de Acrelândia, Manuel Urbano e Assis Brasil. Existe uma incompetência gerencial neste quesito. Destaco, aqui, a reforma do HUERB/PS que inconclusa, inacabada, se arrasta desde o ano de 2005.

Apesar de contar, hoje, com duas faculdades de Medicina, uma pública e a outra privada, e a implantação de mais uma faculdade particular em Cruzeiro do Sul, continuamos na mesma situação de 30 anos atrás, ou seja, a carência de médicos. Em algumas cidades até piorou! Exemplo emblemático da turma de formandos de Medicina da Universidade Federal do Acre (Ufac) de 2013, em que permanecem no Estado apenas dois profissionais. Os outros, sem oportunidades de emprego, migraram para outras regiões do País.

Esses profissionais procuram outros locais do Brasil que lhes ofereçam oportunidades de trabalho. Assim, não há vantagem em formar médicos aqui para mandá-los todos para fora. Não tem sentido uma situação dessas! Temos que aproveitar a prata da casa, e não só contemplar a saída dos filhos dessa terra que se formam e emigram para outras paragens em busca de emprego.  Vamos oferecer oportunidades para os nossos jovens médicos e, assim, oferecer mais profissionais no atendimento da saúde da população.

No momento, em que vemos o governo forçando a barra com a pretensa medida salvadora de trazer uma Organização Social de Saúde (OSS), uma ONG que não precisa prestar contas, para administrar as unidades de urgência e emergência da Capital, o que se visualiza é um verdadeiro balcão de negócios, sendo o que menos se conta é a saúde da população carente e os servidores, hoje vilipendiados em compasso de espera para saber do destino, como manada de animais, aguardando os caminhões boiadeiros a levá-los para o matadouro.

O que mais se pergunta é quem vai ficar com os R$ 15 milhões mensais para gerenciar a saúde, porque o governo eleito democraticamente pelo povo e em final de mandato não conseguiu resolver os graves problemas pelos quais passam os hospitais acreanos, com a falta crônica de medicamentos, com servidores sofrendo agressões físicas, registrando até homicídios dentro das próprias unidades de saúde. Instituições sem nenhuma segurança de quem de direito deveriam protegê-los no exercício de suas funções.

Fiquemos alerta! 2018, ano eleitoral, as promessas de solução de problemas por parte de quem compõe o governo e, há muito já deveria ter mostrado a que veio, hoje, acena para uma solução nos últimos minutos do segundo tempo, como se fosse uma partida de futebol em que estivesse perdendo de goleada, ou na fase de prorrogação em que se espera apenas por uma morte súbita.

 

Por:  Freud Antunes Jornalista


Deixe o seu comentário:

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores.