IFAC certificará mais de 100 alunos na Reserva Cazumbá-Iracema

Publicado em 16 de abril de 2015

Entre as turmas que serão certificadas está a primeira do curso de Operador de Computador ofertado na Resex

cazumba1

Nos próximos dias 16, 17 e 18 de abril, o Instituto Federal do Acre – IFAC/Câmpus Sena Madureira fará a certificação de 108 alunos dos cursos ofertados através do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) nas comunidades da Reserva Extrativista Cazumbá-Iracema.

As cerimônias serão realizadas nas comunidades, onde também ocorreram as aulas. Na Guarani, 23 alunos formam no curso de Agricultor Orgânico. Na comunidade Cuidado são 27 concludentes na turma de Agricultor Agroflorestal. Já no núcleo da Reserva são 57 alunos, 29 do curso de Agricultor Familiar e os outros 28 de Operador de Computador.

A comunidade da Reserva é beneficiada com os cursos de Formação Inicial e Continuada (FIC) do Pronatec/Ifac desde janeiro de 2014. Mas é a primeira vez que esses moradores têm acesso a capacitação na área de informática.

“Até então havíamos oferecido apenas capacitações voltadas para a produção rural, que é o que condiz com a realidade deles. E agora, o curso de Operador de Computador chegou para que os moradores da comunidade possam usufruir do laboratório de informática montado no núcleo da Reserva. Estamos promovendo a inclusão digital desta comunidade em parceria com o ICMbio, demandante do curso, ​junto ao Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), e parceiro do IFAC em todo esse trabalho de capacitação destas comunidades praticamente isoladas, com acesso apenas pelos Rios”, explicou o coordenador adjunto do Pronatec na regional Vale do Purus, Cleudo Farias.

O curso foi ministrado de forma intensiva, em cinco dias. Com o apoio do ICMbio, os seis professores enfrentaram três horas e meia de viagem sobre o Rio Caeté e ficaram abrigados no núcleo da Reserva. Eles se revezaram de dois em dois em aulas nos turnos matutinos e vespertinos, de sexta a terça-feira.

O presidente da Associação dos seringueiros da Reserva e técnico administrativo do ICMbio, Aldeci Cerqueira Maia, o famoso Nenzinho, ficou impressionado com a resposta dos alunos ao curso. “Quando decidimos que seria bom termos esse curso fiquei apreensivo. Me perguntei: Será que eles vão fazer de verdade? Mas, graças à Deus a resposta foi muito boa. Tivemos 100 inscritos e foi bem difícil fazer a seleção para fecharmos a turma com apenas 30 alunos. Muita gente ficou de fora. A evasão foi mínima e os que conseguiram a vaga se dedicaram. A maioria deles nunca teve contato com um computador e hoje já conseguem manipular as máquinas. Sem falar que colocamos em uso todo esse equipamento que estava parado há meses e beneficiamos, principalmente, os nossos jovens”, declarou.

Izael Nery da Silva é morador da Resex, faz o terceiro curso pelo Pronatec/IFAC e falou sobre o que significa fazer algo diferente do que eles estão acostumados, que abre novos horizontes para quem tem a rotina voltada para o campo. “Nós sabemos que somos filhos de extrativistas e é difícil termos uma oportunidade como essa. É realmente um privilégio. Tão isolados por terra, mas agora vamos poder estar conectados com o resto do mundo, o que me deixa muito feliz”.

Alda Maia também mora na reserva, fez o curso de Operador de Computador e faz planos para se aperfeiçoar na área. “A gente sabe que essa é uma das únicas Reservas Extrativistas na Amazônia onde os moradores têm a oportunidade de fazer os cursos do Pronatec e ainda mais esse de Operador de Computador. Eu e meus colegas estamos muito felizes por mais essa oportunidade e agradecemos ao IFAC, ICMbio e a todos os parceiros. Agora é buscar o aperfeiçoamento”, completou.

O laboratório montado na Resex tem 11 computadores e agora dois dos 28 alunos que concluíram vão se tornar monitores para que o espaço continue a ser utilizado pela comunidade.

Assessoria  PRONATEC – IFAC

Lillian Lima
9224-3570


Deixe o seu comentário:

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores.