O show não pode parar

Publicado em 10 de Janeiro de 2015

bandidos

Na última sexta-feira, sirenes, buzinas e gritos pedindo “justiça” alteraram a rotina da nossa pacata “smallville’ cruzeirense.

Um prato cheio para uma imprensa quase sempre carente de pautas. Com tanta coisa acontecendo “aí pra fora”, muitas vezes não é fácil convencer o telespectador a permanecer na frente da TV para assistir ao noticiário local.

Talvez por isso haja um sentimento tão forte de gratidão entre a imprensa e polícia.

A chegada dos prisioneiros (em carro aberto) suspeitos do assalto que resultou na morte do sargento M.Araújo foi de fato um espetáculo orquestrado com maestral regência. Os familiares emocionados, os pano pretos desfraldados tremulando ao movimento da motocicletas, convertidas agora e porta-estandartes da indignação de toda uma cidade. Em seguida vieram o choro e os gritos de “assassino”, logo após acompanhados das sirenes trazendo som e luz à nossa rotina. um verdadeiro espetáculo.

Tivemos ainda uma tentativa de linchamento (oba, isso dá mais uma pauta!) e após uma espera não muito longa, a cereja do bolo: em um auditório climatizado e confortável são apresentados à imprensa os suspeitos: algemados e com suas caras inchadas e vermelhas. As confissões na ponta da língua não deixava dúvida sobre a participação dos mesmos no crime (exceto dois cruzeirenses: “Tati” e sua mãe, Luíza, que negaram qualquer participação, mas isso é piaba para outro caldo).

Basta um olhar minimamente equidistante para perceber que a açã todo foi conduzida como um espetáculo a ser oferecido à população.

Estaria eu com isso condenando a ação-espetáculo?

De forma alguma. Afinal, não basta ser eficiente, é preciso mostrar-se eficiente. e As polícias civil e militar (em uma parceria difícil de se ver) neste caso souberam fazer as duas coisas muito bem.

A menos que provas e confissões venha a ser desmontadas diante do tribunal do juri (o que eu não creio), as polícias cumpriram o objetivo de capturar os criminosos em cerca de uma semana, sem um único tiro disparado. Rápido, limpo e preciso.

Não dar a esta ação o merecido destaque a esta ação, seria um crime imperdoável.

Principalmente em uma semana em que houveram seguidas denúncias de abuso de autoridade.

Durante a coletiva, Major Emílio que responde pela PM e toda região (incluindo Tarauacá e Feijó) defendeu a ação da PM e disse que não houveram arbitrariedades, que todas as prisões e abordagens tinham um motivo, ainda que nem todos estivessem ligados diretamente ao assassinato do sargento.

Ainda que compreenda perfeitamente o papel do comando em fazer esta afirmação, mai uma vez sou obrigado a respeitosamente discordar, desta vez com base no que vi e ouvi na ruas de Cruzeiro do Sul nesta semana.

A afirmação de que a intensificação destas ações não tinham relação com o crime que vitimou o sargento não corresponde ao que alguns policiais falaram nas ruas durante as abordagens. da boca de um saiu “mataram um dos nossos, ‘tamo muito mansinho mesmo”

Não é preciso ser profissional de imprensa para perceber que as ações da polícia recrudesceram no período. Quem anda nas ruas percebeu isso e sentiu esse clima.

Rotina?

Francamente duvido. Especialmente para uma polícia que muitas vezes mal consegue responder aos números chamados da população, salta aos desta mesma população olhos o súbito rompante de eficiência do últimos dias. Foi como se o Popeye tivesse comido espinafre.

É muita “vontade de combater o crime”, para uma polícia que há menos de dois meses se recusou a atender um chamado de assalto no momento que ele acontecia em um residência. Segundo a vítima, a primeira reação do atendente da PM foi dizer que assalto era um caso para a Polícia Civil.

Ao ligar na delegacia, a vítima foi informada que precisaria esperar o dia seguinte par registrar a ocorrência, do assalto que acontecia naquele momento.

O marido da vítima chegou à residência a tempo de coibir o assalto e novamente ligou para a polícia desta vez para apenas conduzir o suspeito preso em flagrante para delegacia. Mas aí faltou viatura, combustível e principalmente boa vontade e quem teve que levar o preso para a delegacia foi a própria vítima em seu carro particular.

O que mudou em menos de dois meses?

Acho que estas são perguntas e questionamentos que devem ser feitos nos momentos certos e não apenas se deixar conduzir pelo espetáculo que entretém e satisfaz muito, mas que informa pouco e transforma menos ainda.

Sem estar atento a estas contradições do discurso a imprensa poderá se deixar conduzir para uma “assessoria de imprensa da polícia’, apenas reproduzindo B.Os e mais do que isso, reforçando lugares-comuns e esteriótipos que resultam no recrudescimento da violência.

Este tem sido o papel de meios de alguns meios de comunicação já há algumas décadas no Brasil. O fenômeno “Cidade em Alerta” começou o rádio, na década de 80 com o sujeito chamado Gil Gomes, aterrorizando a vida das donas-de-casa pela manhã bem cedo com histórias das mais escabrosas possíveis.

Trinta e cinco ao depois pergunto o que Gil Gomes e seus sucessores contribuíram para a diminuição da violência? Nada. pelo contrário, só fizeram crescer o medo e o filho do medo: o ódio.

Muita gente pode questionar afirmando que é apenas o retrato da nossa realidade. Diria que é apenas um recorte da nossa realidade. No momento que este recorte é transformado em notícia pode ganhar uma conotação a mais, um tom vermelho a mais de sangue, pode transformar-se em espetáculo e aí, meu caros colegas, se preparem para alimentar um telespectador cada dia mais sedento de sangue.

O gosto do populacho pelo sangue é atávico, ancestral. Não fosse assim não teríamos tido arenas lotadas para ver cair o sangue dos gladiadores.

E assim seguimos até hoje. Mudam os meios, mas o sangue, é o mesmo.

Afinal, o show não pode parar.

 Por: blog Terra Náuas


Deixe o seu comentário:

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores.