Governo deve anunciar nesta tarde nova leva de ministros; veja nomes

Publicado em 23 de dezembro de 2014

A presidente Dilma Rousseff deve divulgar nesta tarde uma parte da equipe do segundo mandato.

Dilma-Temer-Renan-Wilson-Dias

O ex-governador da Bahia, o petista Jaques Wagner, que foi cotado para outras pastas, deve ficar com o Ministério da Defesa. Ricardo Berzoini, hoje ministro das Relações Institucionais, deve ser deslocado para a pasta de Comunicações, acumulando a parte de publicidade da secretaria de comunicação institucional da Presidência.

A ida de Berzoini para as Comunicações é uma reivindicação do PT, que também queria comandar a verba de publicidade do governo.

O PMDB vai ficar com seis ministérios, que é o número de pastas que a sigla desejava. A principal mudança é a conquista da Secretaria de Portos, em que o nome mais provável é o do deputado Edinho Araújo. Essa foi uma exigência da bancada, que não queria contemplar apenas ex-deputados, mas alguém com mandato.

Vinicius Lajes, indicado “logo por quem” por Renan Calheiros, vai ficar no Ministério do Turismo. Segundo peemedebistas, caso não haja problema com investigações da Operação Lava Jato, o atual presidente da Câmara, Henrique Alves, assumiria a cadeira a partir de fevereiro.

Indicado por Michel Temer, Eliseu Padilha vai assumir a Secretaria de Aviação Civil, no lugar de Moreira Franco, que também fora indicado por Temer. Moreira fica à espera de outro cargo no segundo escalão do governo.

O PMDB indica também Helder Barbalho para a pasta da Pesca, filho de Jader Barbalho, que concorreu ao governo do Pará. Com a exposição no Ministério, o partido espera que ele se prepare para as eleições de 2016 ou 2018.

Katia Abreu na Agricultura foi uma escolha pessoal da presidente Dilma Rousseff, que o PMDB acolheu.

Já o atual líder do governo no Senado, Eduardo Braga, vai para a pasta de Minas e Energia.

Demais nomes e medidas para a economia

A conclusão da equipe ministerial vai ficar para o dia 29, quando também serão divulgadas as primeiras medidas econômicas para o ano que vem. Elas serão definidas pela futura equipe, mas terão que ser apresentadas pela atual, porque incluem ações que necessitam observar o principio da anterioridade, que é a divulgação no exercício anterior ao qual vão começar a vigorar.


Deixe o seu comentário:

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores.