REFLEXÕES PARA 2014

Publicado em 8 de dezembro de 2013

Por: Alércio Dias

alercio dias-5

Assim como entendo que no plano nacional, a oposição tem que puxar a máscara dos petistas em relação às duas principais bandeiras que levantou em todas as suas eleições: “combate à elite” e “privataria tucana”, mostrando que elas se tornaram hoje os carros chefes da administração petista – nunca os banqueiros e empreiteiras ganharam tanto dinheiro e jamais se assistiu a tantas divulgações diárias de leilões de privatização que vai do petróleo, trens, aeroportos, portos e rodovias.

Aqui no Acre, penso que devemos deixar de lado os sentimentos e ações que possam ser interpretados como revolta, ódio ou vingança pela forma cruel como vêm sendo tratados os acreanos e concentrar o foco da campanha naqueles valores que nos são mais caros, puxando o PT e as auto intituladas esquerdas para essa discussão, abordando abertamente, sem subterfúgios,. temas como a opressão e perseguição sofrida por empresários e servidores públicos; questionamento sobre a falta de transparência nas ações administrativas, na aplicação correta do dinheiro público naquilo que é efetivamente necessário e de forma honesta, sem os desvios e as falcatruas que se tornaram uma praxe no petismo.

A cúpula do PT e os candidatos da FPA precisam ser colocados em xeque, pressionados a se explicarem sobre todos esses desmandos. Não podem continuar sendo poupados de respostas como esta: por que, ao invés de apurar a má gestão e a corrupção, quando denunciados, preferem condenar policiais e jornalistas.

Lembram que foi com frases como esta – “responda Jorge Viana!” – que a oposição elegeu o Senador Petecão e não fez do Bocalon o governador do Estado, por uma margem inferior a 1% nas eleições de 2010, resultado até hoje sub judice, com base em denúncia clara e objetiva do Ministério Público.

Programa de governo? Desculpem, mas acho que tenho comigo o melhor e mais avançado.


Deixe o seu comentário:

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores.