Cegos pela obsessão da vantagem os traidores do Acre contra ate professores

Publicado em 25 de dezembro de 2013

Da Redação folhadojurua.com.br

traidores

Os traidores se identificam pela ambição desmedida que os excita quanto aos dividendos pessoais dos quais só abrem mão por outras vantagens. Seu caráter mórbido anula toda ideia de gratidão aos amigos leais que lhes deram a mão quando estavam na pior, ou que os projetaram na evidência pública ou privada que jamais conseguiriam pelos méritos pessoais. De posse do objeto de suas ambições, quebram a escada pela qual subiram para não ter junto de si os que lhes fustiguem a consciência do reconhecimento e dever de gratidão.

O maior dos traidores, Judas Iscariotes, que até hoje é enforcado nas comemorações da Páscoa, deu uma rasteira em Jesus de Nazaré, a quem seguira como uma escada que o levaria aos céus. Tão ingrato, tão pérfido foi seu ato que ele procurou afogá-lo no suicídio. Não foi diferente com Pôncio Pilatos, que mesmo proclamando a inocência de Jesus, lavou as mãos numa atitude de extremo egoísmo, para satisfazer a interesses puramente políticos da época. Também suicidou-se. No entanto, continuam mais vivos do que nunca na história da humanidade como inomináveis traidores.

Esse é o exemplo dos deputados da Aleac, foram eleitos para representar o povo, mais isso só acontece em época de eleição, depois de eleito vira menino de recado do Governador, o exemplo esta na ultima seção antes do recesso que votaram a mando do governo e contra os professores. Agora eles estão votando a mando do governo,  em 2014 novamente volta a pedir seu voto descaradamente.

Governo que não tem a educação, Saúde, e Segurança como prioridade não merece o voto do cidadão acreano, você professor veja que o próprio sindicato que lhe representa foi contra a classe e a favor do governo, esses são os traidores do povo do Acre.

Veja a lista dos que votaram contra os professores

os pontos que o governo havia se comprometido a cumprir após a greve e que não estariam sendo efetivados. Com receio de deixar a matéria para a sessão do dia seguinte e enfrentar uma forte pressão dos professores acreanos, sob orientação da presidente do SINTEAC, Rosana Nascimento, o governo decidiu votar o PCCR que foi aprovado com o voto de 13 governistas (Helder Paiva, Jamyl Asfury, Astério Moreira, Eber Machado, Denilson Segóvia, Eduardo Farias, Geraldo Pereira, Jonas Lima, Ney Amorim, Manoel Moraes, Maria Antônia, Valter Prado e Lira Moraes). Caiu por terra aquela velha história de que os deputados só votam aquilo que está acertado entre governo e servidores. Na verdade o que ficou claro é que quem manda na ALEAC é o Palácio Rio Branco, que manda uma matéria em cima da hora e ela é votada sem se quer ser lida. Pior ainda foram as desculpas para não conceder reajustes aos professores por conta da falta de recursos do Estado.

Chaga Romão (PMDB)Quanto à lei complementar estadual nº 67, de 29 de junho de 1999, que dispõe sobre o Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR) dos profissionais de ensino, o oposicionista também se manifestou. “Eu fiquei morrendo de vergonha por conta da aprovação desse projeto, a matéria chegou nesta casa na madrugada desta quarta-feira e foi aprovada sem o consenso dos professores. O que aconteceu com os servidores de Educação ontem eu não desejo para nenhuma categoria”, complementou.


Deixe o seu comentário:

Todos os comentários postados são de responsabilidade de seus autores.